No caminho do Big Data

Com a evolução computacional, e a internet com ponto central do volume de informações no mundo a necessidade de ferramentas capazes de suportar o dinamismo das novas soluções do século 21, e as interações entre a sociedade através das redes sociais, assim temos a concepção do Big Data.

Embora o termo “big data” seja relativamente novo, o ato de recolher e armazenar grandes quantidades de informações para eventual análise de dados é bem antigo. O conceito ganhou força no início dos anos 2000, quando um analista famoso deste setor, Doug Laney, articulou a definição de big data como os três pilares importantes:

1-Volume: O volume é quantidade de dados coletados em diferentes fontes, redes sociais, transações bancárias, sensores, radares, câmeras ou mesmo comunicação entre dispositivos autônomos. Toda essa capacidade antes no século 21, era impossível, devido a ineficiência tecnológica dos mecanismos de coleta de dados e principalmente a capacidade de armazenar esses dados, visto que tínhamos altos custos para manter uma arquitetura de armazenado de alta capacidade e disponibilidade.

2-Velocidade: A velocidade como os dados fluem e são tratados é fundamental, já que muitas aplicações trabalham em tempo real, ou quase real. Imagine um software projetado para calcular as projeções de flutuação dos ativos na bolsa de  valores de São Paulo, se o mecanismos que trabalha com cálculos imensos, apoiado na disponibilidade de bases de dados em tempo real falhar ou demorar 30 minutos para trazer as informações! Os agentes não conseguiriam tomar decisões corretas ou mesmo negociar ativos, causando perdas de milhões de dólares.

3-Variedade: Hoje a variedade dos dados é muito importante na estruturação do Big Data, já que podemos obter informações em diferentes dispositivos ou mecanismos de controle, pesquisa, analise de perfis na redes sócias, vídeo, e-mail, cotações na bolsa, transações financeiras ou mesmo o cruzamento inteligente de varias fontes distintas.

Um dos pontos importantes do Big Data é sua capacidade de absorver dados estruturados e não estruturados, provocando um maior impacto no negócio, porque coleta varias fontes e diferentes direções, permitindo melhores decisões e direções estratégicas mais eficientes. Todo esse poder de informações em um nível global  é quase imaginável, e acredite só estamos começando!

Uma outro ponto importante do Big Data que causa grande confusão, gira em torno da quantidade de dados que sua empresa tem, contudo o mais importante é o que sua empresa faz com esses dados, gerindo informações, criando respostas, entendo seus clientes, antecipando tendências e etc.

 

HP Brazil

 

Compartilhe na rede:
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Conheça o Autor

Werique Franca
Werique Franca
Pós-Graduado em Engenharia de Software pela Universidade Nove de Julho, superior em Analise e Desenvolvimento de Sistemas pelo Centro Universitário Ítalo Brasileiro. Experiência como analista de sistema, desenvolvimento em VB.NET, modelagem de negócios, banco de dados MySQL e SQL Server, apaixonado por tecnologia, novas soluções de negócios e fundador do Portal TI Livre.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *