Posicionamento no mercado: Você quer ser “um(a)” ou “o(a)”?

Não é de hoje que o mercado dita as regras e, querendo ou não, somos fadados a segui-las.

Posicionamento é um dos clássicos no mundo do marketing.

Através do neuromarketing, onde as empresas tentam a todo custo manter a imagem na cabeça das pessoas.

Hoje, às batalhas de marketing não é para pôr um espaço na prateleira e sim pela percepção do consumidor. Querem um espaço na cabeça de cada um de nós.

Para atingir esse nível, é importante que o posicionamento seja muito claro, algo fácil de você se apresentar, se vender, é até mesmo ter clareza do seu próprio caminho.

Existe uma pergunta clássica:

Qual é a caixa que você ocupa na mente das pessoas? Qual o espaço que você ocupa?

Eu desejo ocupar o espaço da criatividade dentro dessa caixa, e se puder adicionar mais algum atributo, por favor, adicionem extremamente comprometido.

E que eu seja posicionado como uma pessoa de referência disso.  Uma pessoa criativa, que cria para várias áreas, que apresenta soluções criativas, que surpreende a todos com seus resultados diferenciados e criativos, é ainda, extremamente comprometido.

Qual é o posicionamento, que caixa você ocupa na cabeça das pessoas?

Se você ainda não parou para pensar nisso, quero lhe convidar a fazê-lo, é se você já o fez, é importante observar se o seu posicionamento está claro.

Uma vez que você tem um posicionamento claro, você poderá começar um processo de construção da sua autoridade nesse posicionamento.

E isso não é somente para que é da área de tecnologia e quer virar um expert no assunto, mas para qualquer área de atuação, porque posicionamento é um conceito de mercado.

Quando você tem um posicionamento claro, a pirâmide de autoridade tende a evoluir.

 

Pense nos professores, por exemplo, todo mundo se lembra que teve um professor de história para cada uma das séries iniciais do colégio, mas poucos se recordam dos nomes destes professores.

Na verdade, os nomes daqueles que são lembrados, você com certeza você marcou na sua memória por um desses motivos:

  • Algum tipo de afinidade ou empatia;
  • Eram tão expertos que eram brilhantes e te encantavam.

É como se esse professor fosse uma marca, uma Coca-Cola por exemplo, você se lembra sem se esforçar.

E você, quando será referenciado pela sua marca?

Quando vai subir mais um degrau na pirâmide?

Quando terá um posicionamento?

Quando você será uma autoridade?

Autoridade, espere um instante, estávamos falando de posicionamento e agora surge autoridade no assunto? Sim, quando você tem um posicionamento e já é um especialista, o próximo passo é virar uma autoridade.

Autoridade nada mais é do que um cara muito bom no seu posicionamento, um verdadeiro expert e já sabe produzir seu próprio conteúdo. Já possui um conteúdo original, digamos uma teoria sua, você não apenas ensina com o conhecimento dos outros, você cria realmente coisas suas.

O próximo passo seria virar um mito.

Mito é quando você já é uma autoridade mais do que célebre. Você vira inesquecível.

Os mitos possuem algumas características interessantes, como por exemplo a congruência e a consistência.

Não existe mito jovem.

O mito tem que passar pela prova do tempo para poder realmente virar um mito.

Vou dar um exemplo interessante, digamos que você está precisando de um médico, um cardiologista.

Você abre o caderno-guia do seu convênio médico, localiza a especialidade cardiologista, busca o que for mais cômodo em relação a sua localização – casa ou trabalho.

Nesse momento você acabou de procurar “UM” cardiologista. É como se ele estivesse ali bem no rodapé da nossa pirâmide da autoridade.

Agora se você decide por perguntar a um amigo, e pede por uma indicação, você receberá um nome, previamente referenciado, e isso tem muito mais valor, já está em um nível acima, já é um especialista.

Agora se sua intenção é se consultar com o melhor cardiologista, você nesse momento deixa de procurar “Um” cardiologista e passará a buscar “O” cardiologista, esse já é uma autoridade.

Já é chamado pelo nome, naturalmente tem um valor maior, consequentemente o preço de sua consulta será maior também.

Existe uma frase interessante que diz que a força mais poderosa é a necessidade de congruência com a sua identidade.

Ou seja, não se pode fugir de quem a gente é. Até que as vezes a gente tenta, a gente tenta através de máscaras. Através de auto enrolações. A força mais forte é quem você é realmente na essência.

Há uma tendência de que a essência prevaleça.

É uma tendência, mas ao longo da vida, as influências externas, contribuem com adição de máscaras ou auto enrolação, por exemplo, uma criança é essência pura, é a verdade, a pureza, mas ao longo da vida vai ouvindo críticas, tendo medos, frustrações e isso tudo cria uma espécie de um verniz, que cobre como uma camada sobre a nossa essência.

E como uma máscara, e é por isso, que muito se fala em autoconhecimento.

Autoconhecimento, é como se você tivesse uma pá, é cava-se para dentro de você, em busca de quem você é.  Em busca de entender quem você é.  Existem pessoas que acham que isso é bobagem, mas se você realmente sai em busca de você, a descoberta, em muitos casos,  seria de que você não se conhece.

Existe uma frase que diz:

Se você falar a verdade, você não terá que lembrar nada!

Se você vice for sempre que você é, você mesmo, na sua essência, tudo fica congruente, fica consistente. Fica consistente, e quanto mais máscaras, mais trabalho você terá para gerenciar, você será obrigado a se lembrar de tudo.  É mais fácil ser você na sua essência né?

Errado. Não é nada fácil, ao longo da vida, aprendemos a ser diversas pessoas diferentes.

Quando éramos criança, quantas vezes ouvimos a frase: “você não pode agir assim fora de casa…” ou em situações da vida adulta, onde por mais que você não seja uma pessoa antipática, você põe essa máscara de antipático, simplesmente pelo fato que querer impor respeito.

É como se cada um de nós tivesse ao menos dois personagens, um para a família e outro para o trabalho.  Já parou para pensar nisso?

As pessoas usam máscaras muitas vezes com medo de críticas, com medo do que os outros vão dizer, e aí é só aplicar mais uma cama de verniz e tudo certo, tudo se resolve.

Ouvi uma vez que quanto mais elementos diferenciados ou únicos você tem no seu jeito de se vestir, fica mais clara a imagem de quando as pessoas pensam ou lembram de você.

As pessoas automaticamente, trazem aqueles elementos, se você sempre costuma andar com terno, ou com uma cor específica, ou usa um acessório, ou costuma fazer algo específico quando encontra alguma pessoa, isso cria uma consistência.

Eu por exemplo, uso sempre terno completo.  As pessoas quando vão lembrar de você, vão construir com mais clareza em seus pensamentos a sua imagem.

Ou seja, a sua imagem é algo muito importante.

Você certamente já ouviu que é importante você ter o seu próprio estilo, mas eu acredito que, talvez, ninguém tenha lhe dito o porquê você deveria se preocupar com isso.

Ninguém diz o porquê, só sabem dizer que é importante.

Quando eu li em um artigo que o elemento diferenciador dá mais clareza na imagem, ficou mais nítida e ideia de criar um visual que se torne a minha identidade, e assim as pessoas irão lembrar mais fácil e maior clareza da minha imagem.

Não perca o foco, mesmo que você já tenha se tornado autoridade em algum assunto, o importante é que se mantenha o foco mesmo que você busque se tornar autoridade em mais de uma área.

Para ficar claro, esse exemplo irá ajudar:

Imaginem duas escadas.

Você já subiu alguns degraus da primeira escada.  Em hipótese alguma, você não pode descer da primeira escada e iniciar a subida na segunda escada, simplesmente começando do ZERO. Bem, não é que você não pode, claro que pode. Mas, não seria nada inteligente seguir por esse caminho.

Você precisa se posicionar para não desperdiçar o tempo.

Você pode evoluir em áreas diferentes, mas o ideal é estas áreas tenham algum tipo de correlação entre si, mesmo que uma mínima relação.  Desta forma você se manterá na mesma escada.  O perigo está em tentar subir escadas diferentes.

Trazendo isso para o mundo real, para o nosso cotidiano, é como pensar em uma esteira de produtos de uma fábrica.

Imagine que você tem uma linha de produtos, por exemplo iogurte, é muito mais fácil lançar um novo sabor do que lançar um outro produto, por exemplo, shampoo.

Se você não for uma holding, logo os seus clientes começarão a questionar: “você fabrica iogurte ou shampoo? ”

São escadas diferentes.

Somente quando uma estiver completa é que você poderá iniciar outra. Isso é essência.

No mundo corporativo, muitas vezes precisamos mudar o “nosso eu”, a nossa essência, isso é um curso natural, alguns poucos não são totalmente afetados, o que de fato é uma raridade, não quero e nem posso julgar, não é isso, pois eu faço parte disso assim como você.

É interessante pensar em quais são as incongruências que a gente tem?

A integridade por exemplo, não está totalmente conectada com a essência, mas quando existe um pouco de “falta de continuidade”, quando você não age do mesmo jeito em situações diferentes, pode ser uma falta de integridade.

Integridade é basicamente não fazer nada que não possa ser contado para todo mundo.  Não quer dizer que tudo o que se faz tem que ser contado para todo mundo, mas veja dessa forma, se você fosse obrigado a contar, você poderia contar? Você não é obrigado a contar tudo, mas e se fosse, você poderia contar?

Todos nós temos um monte de atitudes incongruentes, todo mundo tem, não vejo nenhum problema em ter, mas o importante é ficar atento a existência deles, identifica-los e a partir daí, criar um miniplano de ação para mudar uma coisa ou outra, fazendo com que se torne uma pessoa cada vez mais congruente nas suas decisões e ações.

Essa tentativa que todos nós tempos de colocar um verniz, de colocar uma máscara, se analisarmos profundamente, veremos que é meio que uma burrice, mas no fundo a gente faz isso para evitar críticas, ter uma aparência melhor, mas ninguém é unanime, de todo o jeito haverá alguma crítica. Já que vai ter uma crítica de todo o jeito, seja você mesmo. Dá menos trabalho. Você não precisa se lembrar de nada, porque está sendo você mesmo, essa é a sua essência, a sua verdade.

As marcas e pessoas, não necessariamente precisam colocar coisas novas na cabeça das pessoas, a a gente pode se ancorar em coisas já existentes.

A vida é construída de aprendizagem e acima de tudo de reaprendizagem, que é o resgate de algo que já existia.

O importante é você ter um posicionamento, e que você alcance seu pedaço na pirâmide e deixe de ser “um” para se tornar “o”.

Compartilhe na rede:
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Conheça o Autor

Wesley Costa
Wesley Costa
Tenho mais de duas décadas de experiência em TI e terceirização de processos de negócios, implementação de serviços compartilhados, gerenciamento de outsourcing, renegociações de contratos e planejamento e análise financeira. Também ofereci serviços práticos como um executivo de vendas, onde forneci suporte e liderança em vários negócios grandes e complexos para processos de TI e de negócios.

Carreira desenvolvida na área de Tecnologia da Informação e Administração de Empresas, com ampla experiência em gestão de pessoas, análise de impacto e riscos a nível nacional e internacional, padronização de processos e gerenciamento de projetos.
Possuo liderança e ótimo relacionamento interpessoal, gosto de produzir em equipe e desenvolver trabalhos de forma séria, dinâmica e criativa, apresentando resultados diferenciados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *